×
Your cart is empty.
×
Your cart is empty.
Correios Lançam em Abril Selo Comemorativo da Reforma
30 de março de 2017 admin

Correios Lançam em Abril Selo Comemorativo da Reforma

Posted in Notícias

Uma palavra da IECLB por ocasião do lançamento do Selo do Jubileu da Reforma

Em 31 de outubro de 1517, o padre e professor de Teologia Martim Lutero afixou 95 teses na porta do Castelo de Wittenberg, Alemanha. Com esse gesto, Lutero quis envolver a população no debate sobre uma questão que ele considerava crucial a partir da sua fé, fundamentada no estudo acurado da Bíblia: perdão não pode ser objeto de venda. Perdão é presente de Deus ao coração arrependido.

As teses de Lutero se espalharam rapidamente. Apesar das dificuldades de comunicação na época, em poucas semanas suas teses eram conhecidas e discutidas. O movimento da Reforma se tornou popular. Nos seus desdobramentos, mudou o cenário religioso e político da Europa e, por consequência, do mundo. Surgiu o protestantismo. Lutero quis nada menos que renovar a Igreja na qual atuava como sacerdote, propugnando por seu retorno às fontes das Escrituras. O núcleo de sua teologia consiste na doutrina de que somos pessoas justificadas pela graça de Deus, por meio da fé. Disso, segundo ele, tudo o mais depende. Portanto, a Reforma tem valor enquanto, ainda hoje, estiver a serviço da proclamação dessa boa nova.

A redescoberta de Lutero não apenas trouxe a liberdade cristã para as consciências atribuladas de quem temia o juízo de Deus. Indiretamente, a Reforma produziu profundas transformações culturais, sociais, políticas e eclesiásticas. A Reforma faz parte das assim chamadas “revoluções” do período moderno (1453-1789), ao lado da revolução comercial, evolução geográfica, revolução científica. A Reforma extrapolou totalmente a esfera religiosa e eclesiástica, afetando todas as instâncias da sociedade.

Para ilustrar, destacamos a influência da Reforma sobre a educação. O Pastor e pesquisador da IECLB, Dr. Gerson Fischer, descreve essa influência da seguinte maneira: “Martim Lutero deu preferência ao uso da metáfora do Sacerdócio, quando o assunto era tratar da essência da vida cristã. Para ele, Deus nos ensina pessoalmente, por intermédio do dom da fé. Em sendo assim, no que se refere à educação, esta deveria ser destituída de todo e qualquer intento domesticador que se interpusesse entre o divino e o humano, fosse de caráter institucional ou pessoal. Esta convicção do reformador, graças a distintos fatores históricos, não ficou restrita ao que foi impresso em papel ou aos limites das atuações das igrejas locais do século XVI. As autoridades alemãs foram exortadas a criar e manter escolas e os pais a enviarem seus filhos e filhas à escola. O currículo foi repensado, integrando o ensino da fé e o preparo para vida social e profissional. A educação, de inspiração evangélica, foi testemunhada como serviço à liberdade e ao desenvolvimento das capacidades dos indivíduos, de homens e mulheres, pobres e ricos. A revolução protestante em educação fez história e sua contribuição apresenta incontestáveis aspectos positivos até os dias atuais, passando pelo coração e mente de inúmeros protagonistas, a exemplo do pai da pedagogia moderna, João Amós Comenius. A educação, de inspiração evangélica, é sempre ato político a favor da cidadania. Não omite, entretanto, sua origem, a cruz de Cristo, mantendo uma tensão criativa entre a formação para a vida e o testemunho de um Deus que justifica por graça e fé o pecador. O intento de ensinar e educar para a liberdade e a responsabilidade passam também hoje, a despeito de uma sociedade que vem negando a dignidade humana, pela encarnação do anúncio de um Deus que deseja se relacionar com todas as pessoas, sejam estas crianças, jovens ou adultos, revelando seu propósito de vida e salvação à humanidade.”

Não é, pois, mero acaso que se comemorem os 500 anos da Reforma em 2017! 31 de outubro de 1517 a 31 de outubro de 2017: Jubileu dos 500 anos da Reforma.

Justifica-se a comemoração de uma data tão significativa. E o Jubileu da Reforma já está sendo comemorado em todo mundo, também aqui no Brasil. As Igrejas luteranas (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e Igreja Evangélica Luterana do Brasil) celebrarão em conjunto. A IECLB vem celebrando com a Igreja Católica, focando especialmente o documento intitulado Do conflito à comunhão. Igrejas históricas várias celebrarão em conjunto. Cabe lembrar que no dia 31 de outubro de 2016 a Federação Luterana Mundial (FLM), como expressão da comunhão luterana no mundo, e a Igreja Católica Apostólica Romana marcaram esse Jubileu profundamente através da celebração conjunta na Catedral luterana em Lund, Suécia, dando um passo marcante, avançando do conflito à comunhão.

Cabe-nos agradecer pelo legado da Reforma, a boa nova redescoberta e proclamada. Ao mesmo tempo, cabe comemorar a data como uma nova oportunidade de se perguntar quanto às implicações da Reforma para os dias de hoje e para o futuro. As Igrejas oriundas da Reforma precisam perguntar pelos desdobramentos da mensagem da Reforma ao longo dos séculos nos mais diferentes contextos, em todo o mundo, também aqui no Brasil.

E aqui, no Brasil, um dos acontecimentos marcantes do Jubileu da Reforma está sendo a emissão de um selo postal por parte dos Correios, o que é motivo de gratidão e alegria para quem compreende a importância da Reforma e do seu legado. Este o motivo que nos reúne nesta ocasião: o lançamento do selo do Jubileu da Reforma!

Dr. Nestor Paulo Friedrich
Pastor Presidente da IECLB-Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil

Fonte: www.luteranos.com.br